ANSIEDADE: UM DOS PROBLEMAS DO SÉCULO XXI

  • João Vitor Andrade Universidade Federal de Viçosa
  • Luiza Possa Pereira Universidade Federal de Viçosa
  • Patricia Antonieta Vieira Universidade Federal de Viçosa
  • José Victor Soares da Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Amanda de Macedo Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Marina Barbosa Bonisson Universidade Federal de Viçosa
  • Juliana Viana Rodrigues de Castro Universidade Federal de Viçosa

Resumo

A palavra ansiedade é originária do latim "anxius", caracterizando-se como agitação e angústia, também de origem latina é derivada da palavra “agere”, cujo significado remete a sufocar ou estrangular e é daí que o termo relacionasse à sensação de sufoco, frequentemente relatada por indivíduos ansiosos. O presente objetiva descrever a fisiopatologia da ansiedade, analisar produções científicas e propor o planejamento de uma assistência holística, por meio do plano de cuidados de enfermagem. Trata-se de um estudo descritivo do tipo revisão narrativa da literatura, a teorização foi fundamentada em artigos e livros específicos de Enfermagem Psiquiátrica, Psiquiatria e Psicologia. Para a formulação do plano de cuidados de enfermagem, utilizou-se a sistematização da assistência de enfermagem, por meio das taxonomias de Enfermagem: Diagnósticos de enfermagem definições e classificação (NANDA) e Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC). O levantamento bibliográfico deu-se no período de junho a agosto de 2018 na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) e em literatura cinzenta, os descritores utilizados foram “Ansiedade”, “Transtorno de Ansiedade” e “Enfermagem. A ansiedade é diagnosticada através dos Critérios Diagnósticos de acordo com a American Psychiatric Association - DSM-V. São várias as formas de tratamento e cuidados para pessoas que sofrem de transtornos de ansiedade e os medicamentos estão deixando de ser uma terapêutica privilegiada, passando a ser usados por um período de curto tempo, sempre que possível. Destaca-se então que para combater a ansiedade, sendo este um dos males do século XXI é fundamental a realização de mais pesquisas envolvendo a temática. 

Referências

Baptista A., Carvalho M, Lory F. O medo, a ansiedade e as suas perturbações. Psicologia, 2015; 19:267-277.

MICHAELIS. Moderno Dicionário Online da Língua Portuguesa, 2018.

Bauer S. Da ansiedade à depressão - da psicofarmacologia à psicoterapia ericksoniana. S. Paulo: Livro Pleno; 2004.

Braconnier A. Psicologia dinâmica e psicanálise. Lisboa: Climepsi Editores; 2000.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

OMS - Organização Mundial da Saúde. Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Geneva; 2017.

Han BC. Sociedade do Cansaço. Petrópolis: Editora Vozes, 2015.

NORTH AMERICAN NURSING DIAGNOSIS ASSOCIATION. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2015-2017. Ed. Artmed Porto Alegre, 2015.

Docheterman, JM, Bulechek GM. Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC). Ed. Artmed. Edição 4. Porto Alegre, 2010.

Braga JEF et al. Ansiedade patológica: bases neurais e avanços na abordagem psicofarmacológica. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. João Pessoa, 2010; 14 (2):93-100.

Nardi AE et al. Generalized anxiety disorder: theoretical and diagnostic principles. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de janeiro, v. 45, n. 3, p. 173-178, mar. 1996. 1996; 45 (3):173-178.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Practice guideline for the psychiatric evaluation of adults, 3. Ed. 2016.

Townsend MC. Enfermagem psiquiátrica - conceitos de cuidados - 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2002.

Rocha RM. Enfermagem em saúde mental. 2. ed. Rio de Janeiro: Senac Nacional. 2014.

Magrinelli AB. Bases Neurobiológicas da Ansiedade, 2014. [citado em 2019 Mar 16]. Disponível em: http://cienciasecognicao.org/neuroemdebate/?p=1942.
Publicado
2019-07-10
Como Citar
ANDRADE, João Vitor et al. ANSIEDADE: UM DOS PROBLEMAS DO SÉCULO XXI. Revista de Saúde ReAGES, [S.l.], v. 2, n. 4, p. p. 34-39, jul. 2019. ISSN 2596-0970. Disponível em: <http://npu.faculdadeages.com.br/index.php/revistadesaude/article/view/220>. Acesso em: 25 set. 2020.
Seção
Artigos Originais