POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO À SAÚDE DA MULHER NO PLANEJAMENTO FAMILIAR

  • José Clécio Silva de Souza UCAM - Universidade Cândido Mendes

Resumo

As famílias atualmente estão cada vez mais cientes de executar um planejamento familiar permitindo que a mulher tenha acesso a mais direitos, direitos à saúde e controle familiar. Deste modo o presente trabalho tem como objetivo compreender as Políticas Públicas que contribuem com princípios norteadores para a promoção da saúde da mulher, para que seja feita uma boa assessoria ao planejamento familiar, sendo preciso que os profissionais sejam capacitados para tal atividade, além disso, a atenção do governo deve ser intensificada quando relacionada a esta temática. É possível que os usuários do Sistema de Saúde sejam atendidos da melhor maneira, fazendo suas escolhas corretamente, exercendo seus direitos e cobrando dos serviços de saúde a disponibilização de técnicas e métodos contraceptivos. Mesmo com leis que garantem a assessoria ao planejamento familiar, quando colocadas em prática, as políticas públicas de apoio estão ausentes, estas, surgiram no intuito de atender as necessidades das famílias, principalmente as mais necessitadas. Sendo assim, quando não há um planejamento familiar correto, os riscos para a população são imenso, pois aumenta as tentativas de aborto, assim como um aumento do número de adolescentes e até crianças grávidas, além disso, o risco de saúde. É papel do Estado a implantação de atendimento para todas as mulheres do país, sejam elas negras ou brancas, ricas ou pobres, pois é um direito garantido e na maioria das vezes as mulheres não são assistidas, para isso é necessário mais investimento na lei de planejamento familiar.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Assistência Integral a Saúde da Mulher: bases de ação programática. Brasília: DF 1984.
_______Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.
_______. Lei n º 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º, do art. 226, da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece prioridades e dá outras providências... Brasília: 1996. Disponível em: . Acesso em 22 dez. 2018.
_______. Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990. Normas Operacionais Básicas (NOB). Ministério da Saúde. Brasília. 1990.
_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em Planejamento Familiar: Manual Técnico/Secretaria de Políticas de Saúde, Área Técnica de Saúde da Mulher – 4a edição – Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
______. Lei nº 8.142 de 27 de fevereiro de 2002. Normas Operacionais de Assistência à Saúde (NOAS). Ministério da Saúde. Brasília. 2002.
CHAGAS, M. C. Tecnologias Médico Reprodutivas e Direito Fundamental ao Planejamento Familiar: pressupostos conceituais e normativos para uma reflexão bioética. 2005. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife – PE.
CARDIN, V. S. G. Do planejamento familiar, da paternidade responsável e das políticas públicas. Circular técnica. Instituto Brasileiro de Direito de Família-IBDFAM. 2004.
COELHO, E. A. C. LUCENA, M. F.G. SILVA, A. T. M. O planejamento familiar no Brasil contexto das políticas de saúde: determinantes históricos. Revista Escolar de Enfermagem. USP, v. 34, n. 1, p. 37-44, mar. 2000.
LEITE, A. C. N. M. T.; PAES, N. A. Direitos femininos no Brasil: um enfoque na saúde materna. Hist. cienc. saude-Manguinhos, vol.16, n.3, pp. 705-714, 2009.
MOURA, E. R. F. SILVA, R. M. GIMENIZ, M. T. G. Dinâmica do atendimento em planejamento familiar no Programa Saúde da Família no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(4):961-970, abril, 2007.
PIERRE, L. A. S.; CLAPIS, M. J. Planejamento familiar em Unidade de Saúde da Família. Revista Latino Americana de Enfermagem. 18 (6): [08 telas]. 2010.
SANTOS, J. C.; FREITAS, P. M. Planejamento familiar na perspectiva do desenvolvimento. Ciência e saúde coletiva. 16 (3): 1813-1820. 2011.
SILVA, E. O planejamento familiar na perspectiva feminina. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Faculdade de História, Direito e Serviço Social. UNESP. Franca – SP. 2007.
TEIXEIRA, C. S.; ARAÚJO, C .S. T. Corpo feminino e saúde da mulher: promoção da saúde no cenário religioso. VII Seminário corpo, gênero e sexualidade. Universidade Federal do Rio Grande – FURG. 2018.
Publicado
2019-07-10
Como Citar
SOUZA, José Clécio Silva de. POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO À SAÚDE DA MULHER NO PLANEJAMENTO FAMILIAR. Revista de Saúde ReAGES, [S.l.], v. 2, n. 4, p. p. 22-27, jul. 2019. ISSN 2596-0970. Disponível em: <http://npu.faculdadeages.com.br/index.php/revistadesaude/article/view/217>. Acesso em: 25 set. 2020.
Seção
Artigos Originais