O PAPEL DA ENFERMAGEM FRENTE AS PRECAUÇÕES E NO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Resumo

Introdução: As Infecções Hospitalares (IH) tem crescido proporcionalmente ao desenvolvimento da tecnologia invasiva, no entanto, parece que o conhecimento dos profissionais da saúde sobre as ações de prevenção e controle das infecções não acompanha esse desenvolvimento. Objetivo: O trabalho objetiva identificar a atenção que os profissionais da enfermagem devem ter diante ao manuseio de instrumentos infectantes e procedimentos invasivos através de práticas conscientes das suas responsabilidades ao realizarem tais técnicas de baixo, médio e alto risco para à saúde. Método: Trata-se de um estudo transversal, exploratório, de campo, com abordagem quantitativa. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa com Seres Humanos do Centro Universitário UniAGES, sob parecer nº 024-2012. Resultados: Os dados referentes a essa problemática são precários. A atenção ambulatorial em atenção básica, (6; 60,0%), ambulatorial de média complexidade (10; 100,0%), ambulatorial de alta complexidade (10; 100,0%), hospitalar de média complexidade (1; 10,0%) e hospitalar de alta complexidade (1; 10,0%). Os profissionais, durante a investigação, realizam a associação de pistas como febre e resultados de exames laboratoriais, revisão de prontuários, uso de antimicrobiano e até o exame físico do paciente. Conclusão: Desse modo, a implantação do PCIH torna-se evidentemente relevante para solucionar os problemas encontrados pelo presente estudo, tendo em vista que parte significativa das unidades pesquisadas não a realiza, sendo a proposta de implantação de CCIH existente no Brasil desde a aprovação da Portaria n° 196/83 que regulamenta quanto ao controle da IH.

Referências

Alves DCI, Lacerda RA. Evaluation of Programs of Infection Control related to Healthcare Assistance in Hospitals. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2015 [cited 2018 Sep 17];49(n.spe):65-73. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080- 62342015000700065&script=sci_arttext&tlng=en

Aragão AS. Agências reguladoras e a evolução do direito administrativo econômico. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013.

Barker AK, Brown K, Siraj D, Ahsan M, Sengupta S, Safdar N. Barriers and facilitators to infection control at a hospital in northern India: a qualitative study. Antimicrob Resist Infect Control [Internet]. 2017 [cited 2018 Sep 17];6:35. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pmc/articles/PMC5385016/

Batista T. Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS. III Simpósio Estadual de Controle de Infecção Hospitalar. Pará. 2015. Slydes.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Programa nacional de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde (2016-2020). 2. ed. Brasília: ANVISA, 2016.

Cabral FW, Silva MZO. Prevenção e controle de infecções no ambiente hospitalar. SANARE, Sobral, v. 12, n. 1, p. 59-70, jan./jun. 2013.

Limón E, Pujol M, Gudiol F. Validation of the structure and resources of nosocomial infection control team in hospitals ascribed to VIN Cat program in Catalonia, Spain. Med.Clin. (Barc).2014;143Suppl1: 43-7.DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.medcli.2014.07.010

Menegueti MG, Canini SRMS, Bellissimo-Rodrigues F, Laus AM. Evaluation of Nosocomial Infection Control Programs in health services. Rev Latino Am Enfermagem [Internet]. 2015 [cited 2018 Sep 17];23(1):98-105. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0104-11692015000100098

Milaré É. Direito do ambiente. 10. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

Nettina SM. Prática de enfermagem. 6.ed. v.1 e 2 Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

Oliveira AC, Paula AO. Infecções relacionadas ao cuidar em saúde no contexto da segurança do paciente: passado, presente e futuro. REME Rev Min Enferm [Internet]. 2013 [citado 2017 set. 17];17(1):221-4.

Potter P, Perry A. Fundamentos de enfermagem.5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

Reis AT, Martins M, Laguardia J. A segurança do paciente como dimensão da qualidade do cuidado de saúde: um olhar sobre a literatura. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2013 [citado 2018 set. 17];18(7):2029-36. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n7/18.pdf

Sancinetti TR. Absenteísmo por doença na equipe de enfermagem: taxa, diagnóstico médico e perfil dos profissionais [tese]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2010.

Silva GOC. O meio ambiente do trabalho e o princípio da dignidade humana. UFSC, 2014.

Smeltzer SC, Bare BG. Brunner & Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

Souza ES, Belei RA, Carrilho CMDM, Vamada-Ogatta SF, Andrade G, et al. Mortality and risks related to healthcare-associated infection. Texto Contexto Enferm. [Internet]. 2015 [cited 2018 Sep 17];24(1):220-8. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072015000100220&lng=en

Souza MHS. Hospital: manual do ambiente hospitalar/Virginia Helena Soares de Souza, Nelson Mozachi (in memorian). – 4. Ed. – Curitiba: Divulgação Cultural, 2015.

Staffen MR, Santos RP. O fundamento cultural da dignidade da pessoa humana e sua convergência para o paradigma da sustentabilidade. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 13, n. 26, p. 263-288, maio/ago. 2016.
Publicado
2019-07-10
Como Citar
RODRIGUES, Wellington Pereira et al. O PAPEL DA ENFERMAGEM FRENTE AS PRECAUÇÕES E NO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR. Revista de Saúde ReAGES, [S.l.], v. 2, n. 4, p. p. 18-21, jul. 2019. ISSN 2596-0970. Disponível em: <http://npu.faculdadeages.com.br/index.php/revistadesaude/article/view/208>. Acesso em: 24 set. 2020.
Seção
Artigos Originais