DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE POSITIVIDADE PARA LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA EM JACOBINA-BA E A UTILIZAÇÃO DA ANFOTERICINA B LIPOSSOMAL NO TRATAMENTO HUMANO

  • Tamara Santana de Almeida Faculdade AGES de Medicina
  • Robson de Jesus Faculdade AGES de Medicina
  • Anderson dos Santos Barbosa Faculdade AGES de Medicina

Resumo

A Leishmaniose Visceral – LV é uma doença infecciosa de acometimento sistêmico que apresenta grande impacto para a saúde pública, tendo em vista o seu poder de disseminação e letalidade. Os cães são o principal reservatório do agente etiológico para o vetor, apresentam elevada susceptibilidade à infecção e desenvolvem a função de fonte de contágio imediata para o ser humano. Este trabalho tem como objetivo apresentar o índice de positividade para leishmaniose visceral canina em Jacobina-BA, no primeiro semestre de 2018, assim como, discutir a efetividade da anfotericina B lipossomal, no tratamento das pessoas acometidas por LV. Trata-se de um estudo descritivo, desenvolvido no Centro de Controle de Endemias da referida cidade, através da análise dos dados coletados no período em estudo pelo departamento de combate à leishmaniose visceral. No primeiro semestre de 2018, a média do índice de positividade foi quantificada em 21,39%, o que ratifica a primordialidade de intervenções efetivas. Entre as terapias medicamentosas empregadas na LV em seres humanos está a anfotericina B lipossomal. Essa agregação aos lipossomas trouxe como benefício a menor toxicidade, maior eficácia e tolerabilidade, com expressiva capacidade de exclusão aguda do parasita. Assim, conclui-se que é imprescindível a aplicabilidade de atividades voltadas ao controle da LV. A utilização da anfotericina B lipossomal representa um avanço nas possibilidades de intervenção clínica.


 


Palavras-chave: 

Referências

1. SOUZA, V. M. M.; BISINOTTO, T. V.; JULIÃO, F. S.; LIMA, A. S.; NEVES, R. C. S.; OLIVEIRA, S. S.; MAGALHÃES, P. B.; MOREIRA JUNIOR, E. D. Ensaio comunitário para avaliação da efetividade de estratégias de prevenção e controle da leishmaniose visceral humana no Município de Feira de Santana, Estado da Bahia, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília v. 17, n. 2, 2008. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/6177. Acesso em: 15 nov. 2018.

2. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/leishvba.def. Acesso em: 10 nov. 2018.

3. WERNECK, G. L.; CHAVES, F. C.; PEREIRA, T. J. C. F.; GOUVÊA, M. V.; FARIAS, G. C.; COSTA, C. H. N.; SILVA, F. O.; CARVALHO, F. A. A. Avaliação da efetividade das estratégias de controle da leishmaniose visceral na cidade de Teresina, Estado do Piauí, Brasil: resultados do inquérito inicial-2004. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 17, n. 2, p. 2008. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S167949742008000200002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 15 nov. 2018.

4. FONTES, S. D.; SILVA, A. S. A. Leishmaniose Visceral Canina. In: ANAIS SIMPAC, Minas Gerais, v. 3, n. 1, 2011. Disponível em: https://academico.univicosa.com.br/revista/index.php/RevistaSimpac/article/view/368/530. Acesso em: 10 nov. 2018.

5. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan. Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://www3.saude.ba.gov.br/csv/A234718138_219_181_78.csv. Acesso em: 05 nov. 2018.

6. BRASIL. Ministério da Saúde. Leishmaniose visceral – Dados da doença. Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/leishmaniose-visceral. Acesso em: 12 nov. 2018.

7. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Leishmaniose visceral: recomendações clínicas para redução da letalidade. Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/leishmaniose_visceral_ reducao_letalidade.pdf. Acesso em: 10 nov. 2018.

8. BROOKS, G. F. et al. Microbiologia médica de Jawetz, Melnick e Adelberg. 26. ed. Porto Alegre: AMGH, 2014. Disponível em: https://drive.google.com/drive/folders/1HPyoYqGGVIMUBfLhL4IBTDfvh7I-5G5g. Acesso em: 06 nov. 2018.

9. AmBisome: Anfotericina B lipossomal. Responsável técnico: Gilson Hirata Kobori CRF-SP nº 16.388. São Paulo: United Medical Ltda, 2016. Bula de remédio. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=2079392016&pIdAnexo=3733114. Acesso em: 12 nov. 2018.
Publicado
2019-07-10
Como Citar
ALMEIDA, Tamara Santana de; JESUS, Robson de; BARBOSA, Anderson dos Santos. DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE POSITIVIDADE PARA LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA EM JACOBINA-BA E A UTILIZAÇÃO DA ANFOTERICINA B LIPOSSOMAL NO TRATAMENTO HUMANO. Revista de Saúde ReAGES, [S.l.], v. 2, n. 4, p. p. 14-17, jul. 2019. ISSN 2596-0970. Disponível em: <http://npu.faculdadeages.com.br/index.php/revistadesaude/article/view/201>. Acesso em: 25 set. 2020.
Seção
Artigos Originais