Demandas da escola: Propostas pedagógicas e administrativas no Colégio Estadual Dr. Milton Dortas na cidade de Simão Dias/SE

  • Ivanildo Damasceno Centro Universitário AGES

Resumo

A escola é instituição organizada, ou seja, para que os objetivos sejam alcançados, o servidor deve cumprir de forma coesa suas atividades. Desse modo, os professores são os responsáveis pelo ensino, todavia os demais funcionários também participam do processo educacional. As tarefas devem ser direcionadas para um bem comum, no intuito de que os atores educacionais possam compreender a importância do trabalho coletivo, haja vista que todos fazem parte do processo pedagógico e precisa atender as demandas da escola como um todo. Neste sentido, o presente trabalho usando do método qualitativo propôs intervenção objetivando o esclarecimento sobre trabalho coletivo, diversidade, conflito, igualdade, responsabilidade, reconhecimento, educação e um bom relacionamento interpessoal, visando ensino de qualidade, demonstrando a clientela, ou seja, os alunos, uma convivência harmoniosa no espaço multicultural.

Referências

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação nas Organizações. 5ª edição. São Paulo: Atlas, 2008.

BERG, Ernesto Artur. Administração de conflitos: abordagens práticas para o dia a dia. 1ª edição. Curitiba - PR: Juruá, 2012.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CASTRO, M. L. O. A Educação na Constituição de 1988 e a LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: André Quincé, 1998.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer nº 5, de 07 de maio de 1997, e Resolução nº 2, de 28 de maio de 2009. Câmara de Educação Básica.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Promulgada em 5 de outubro de 1988 e Emendas Constitucionais, especialmente a 14/96 (Reforma Educacional, incluindo a instituição do Fundef), a 18/98 (Reforma Administrativa) e a 20/98 (Reforma da Previdência).

DUSSEL, Enrique. O encobrimento do outro: a origem do “mito da modernidade”. Petrópolis - RJ: Vozes, 1993.

ELIAS, Lidiane; DALMAU, Marcos Baptista Lopez; BERNARDINI, Isadora de Souza. A importância da gestão de conflitos nas relações de trabalho: um estudo de caso na Secretaria de Saúde de Biguaçu/SC. Biguaçu, SC: Coleção Gestão da Saúde Pública – Volume 8, 2013. p. 124/145

FUSARI, José Cerchi. A construção da proposta Educacional e do Trabalho Coletivo na Unidade Escolar. Disponível em http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_16_p069-077_c.pdf, acesso em 13/09/016 às 12:13.

GOHN, Maria da Glória. Conselhos Gestores e Participação Sociopolítica. São Paulo: Cortez, 2003.

GOMES, Sérgio. Relações interpessoais intensificam a coesão das equipes. Disponível em Rh.com.br/portal/grupo_equipe/entrevista/6456. Acesso em 25/02/2010.

GRACINDO, Regina Vinhaes. Gestão democrática nos sistemas e na escola. Brasília: Universidade de Brasília, 2007.

LÜCK, Heloísa. Dimensões de gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, 2009.

LDB. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que “Estabelece Diretrizes e Bases da Educação Nacional”. Lei 9.424 de 24 de dezembro de 1996 – Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5ª edição revista e ampliada. Goiânia - GO: Editora Alternativa, 2004.

LIBÂNEO, José Carlos, [et.al.]. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 10ª edição. São Paulo: Cortez, 2012.

MARTINELLI, D. P.; ALMEIDA A. P. De negociação e soluções de conflitos. São Paulo: Palas Athena, 2012.

MARTINS, J. P. Administração escolar: uma abordagem crítica do processo administrativo em educação. 2ª edição. São Paulo: Atlas, 1999.

MEC. INEP. Gestão escolar e formação de gestores. Em Aberto, vol. 17, n. 72 jun., 2000.

MELUCCI, Alberto. Sociedade Complexa - Identidade e Ação Coletiva. Entrevista concedida a Dalila M. Pedrini e Adrian O. Scribano. Cadernos do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Movimentos Sociais. Movimentos Sociais na Contemporaneidade. São Paulo, Programa de Estudos Pós- Graduados em Serviço Social, PUC-SP, nº2, p.33-63, abril 1997b.

MORAES, M. C. O Paradigma Educacional Emergente. Campinas: Papirus, 1997.

MONLEVADE, João Antônio Cabral de. Funcionários de escolas: cidadãos, educadores, profissionais e gestores. 2ª edição atualizada e revisada. Brasília, DF: Universidade de Brasília, Centro de Educação à Distância, 2008.

NADLER, David: HACKMAN, J. Richard; LAWER, Edward III. Comportamento Organizacional. São Paulo: Campos, 1983.

NKOMO, S. M.; COX JR., T. Diversidade e identidade nas organizações. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto 1.171 de 22 de junho de 1994. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d1171.htm. Acesso em 16/09/2017.

PISTRAK, Moisey Mikhalovich. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

RIVERO, Catarina [et. al.]. Manual - práticas colaborativas e positivas na intervenção social. Leiria – Portugal: EAPN Portugal / Núcleo Distrital de Leiria, 2013.

VALERIEN, J. Gestão da Escola Fundamental. Tradução e adaptação José Augusto Dias. Brasília: MEC, UNESCO, 1993.
Publicado
2018-07-31
Como Citar
DAMASCENO, Ivanildo. Demandas da escola: Propostas pedagógicas e administrativas no Colégio Estadual Dr. Milton Dortas na cidade de Simão Dias/SE. Revista de Educação ReAGES, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 22-31, jul. 2018. ISSN 2526-6594. Disponível em: <http://npu.faculdadeages.com.br/index.php/revistadeeducacao/article/view/71>. Acesso em: 16 dez. 2018.
Seção
Artigos Originais